domingo, 22 de junho de 2014

Sobre substratos

Fonte

Muitas pessoas vem me perguntar qual o substrato utilizo nas minhas plantas que estão sempre bonitas. Não sou uma expert no assunto, mas resolvi fazer esse post e assim também pesquiso um pouco e aprendo mais. Começo dizendo que não há uma fórmula certa, e o que vou passar para vocês vem da minha experiência pessoal. Ainda hoje às vezes erro na medida, pois vivo testando outros componentes na mistura.

É importante dizer que todo o desenvolvimento das plantas depende muito do clima, da quantidade de luz, do tipo de adubação e do tal substrato. Então nunca um vaso de ervas, por exemplo, o seu vai ser igual ao meu ou igual ao da revista.

Mas, o que é substrato?

"Substrato para plantas é todo o material utilizado como meio de crescimento para plantas, que não seja o solo. Pode ser constituído por um único material ou por uma mistura balanceada de materiais orgânicos e minerais." (Fonte)

Fonte
O mais importante para a planta, independente de qualquer tipo de substrato, é o solo ser aerado (não compactado), rico em matéria orgânica (adubo) e não ficar encharcado, mas ser capaz de reter água (parece um paradoxo, mas é que deve se ter um equílibrio). Nesse último quesito é importante o fundo dos vasos serem furados e colocado pedras ou britas para uma boa drenagem das regas.

"Quais as vantagens de usar o substrato para plantas em vez do solo? 

 - Material com características físicas, químicas e biológicas conhecidas, estáveis e uniformes.
- Isenção de patógenos, pragas e plantas daninhas.
- Material adequado para cada tipo de cultura.
- Otimização do espaço para germinação de sementes e enraizamento de estacas.
- Recipientes individualizados , o que evita competição entre plantas por água, luz e nutrientes e permite melhor controle fitossanitário.
- Melhor controle sobre a formação de raízes (facilidade para verificação de torrões e do sistema radicular).
- Facilidade no controle do crescimento das plantas.
- Redução do choque de transplantio de mudas.
- Prolongamento da vida útil de plantas em vaso.
- Melhor estabelecimento da cultura no campo.
- Redução dos ciclos de produção.
- Não há necessidade de desinfecção.
- Material pronto para uso e de fácil manuseio.
- Melhor controle de irrigação e fertilização."

Tipos de Substrato

Fonte

Turfa - Combustível fóssil, a idade geológica é recente, resultante da decomposição de vegetais em ambiente de água doce. Antes de apodrecerem os vegetais foram carbonizados. É formada basicamente por musgo (Sphagnum), juncos e outros vegetais e se as condições fossem favoráveis teria virado carvão vegetal. Contém macronutrientes: nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre e micronutrientes: cobre, ferro, manganês, zinco, molibdênio e níquel, além de substâncias húmicas, ácidos fúlvicos e humina, compostos orgânicos. O pH fica de 3,0 a 3,3, muito ácido.

Vermiculita - É um mineral micáceo natural do grupo dos filosilicatados, que expande até duas vezes ao ser aquecido, sólido, coloração bege. A vermiculita expandida não é combustível, é insolúvel em água, resistente a mofos e estéril. São fornecidas em granulometrias grande, média, fina, superfina e mícron e muito utilizadas na construção civil para isolamento térmico, acústico, etc. Seu pH é de 7,5 a 8,5.

Casca de tungue - Proveniente de uma árvore (Aleurites fordii Heens) cuja madeira é utilizada para fabricação de tintas e vernizes. Após período de exposição do material a céu aberto pode ser utilizado como substrato. Apresenta diversas granulometrias, seu pH fica em torno de 7,0, muito alto para a maioria das plantas. Sua velocidade de decomposição é lenta, devido à presença de ligninas e taninos que, no entanto não causam problemas de cultivo de plantas no substrato. Contém carbono orgânico, nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, ferro, cobre, zinco, sódio e boro. No entanto possui alta umidade após drenagem, o que indica que a mistura com outros substratos de maior capacidade de drenagem, como casca de arroz carbonizada, poderá funcionar melhor.

Casca ou pó de coco, coxim - Oriundo da indústria de beneficiamento do coco ou de recolhimento em locais de uso do produto in natura, foi pesquisado e tem sido utilizado pelos produtores para substrato de produção de sementeiras e estacas. Contem lignina, celulose e hemicelulose, fração esta facilmente decomposta pelos microorganismos e tanino. Na casca há compostos tóxicos de cloreto de potássio sendo necessário lavar o material para lixiviar. Pode ser fornecido com várias granulometrias de 2,0 a 0,50mm. Contém nitrogênio, fósforo, potássio, magnésio, sódio, cálcio, cobre, manganês, zinco e matéria orgânica. Sua densidade apresenta aumento ao longo do tempo, bem como a retenção de água.

Casca de pinus - Proveniente da indústria de produção de madeira, resíduo que tem sido aproveitado após pesquisas, como ornamento de jardins e mais recentemente como substrato para produção de estacas de plantas. Seu pH é baixo 3,7, apresenta relativa retenção de água nas granulometrias menores como as de 5 a 7mm. Apresenta grande quantidade de tanino e lignina e deve ser parcialmente decomposta e sofrer lixiviação para evitar que afete o desenvolvimento das plantas.

Casca de arroz carbonizado - Proveniente da indústria de beneficiamento do arroz e queimada em fornos como combustível ou in natura para queima pelo produtor, tem sido o material mais barato, leve e que mais resultados tem dado para a produção de estaquia e sementeiras. Dos seus componentes possui traços de nutrientes  ( 0,7%N,0,2%P e 0,32%K), baixa retenção de água, pouca densidade e baixa compactação, o que a torna ideal para sementeiras e estaquia em tubetes.

Areia - Usada em construção civil possui várias granulometrias e é facilmente encontrada. A compactação aumenta conforme diminui a granulometria, tem baixa capacidade de retenção de água e é mais eficiente em enraizamento de estacas e como mistura com outros substratos.

Espuma fenólica - Oriunda da indústria petroquímica, este material foi testado com sucesso na formação de bandejas para sementeiras. Não é biodegradável.

Perlita - Material vulcânico processado na indústria com vapor para expansão, é inerte, pH 7,0, mantém temperatura estável mesmo ao sol,capacidade de manter umidade para estaquia e sementeiras. Pode ser usada sozinha ou em misturas com turfa e cascas de tungue, pinus ou coco.

Isopor - Tem sido usado para arejamento de substratos, é inerte, leve e não retém água. Insolúvel e dificilmente degradável, poluente.

Serragem - Proveniente do beneficiamento da madeira tem alta quantidade de lignina e tanino. Pode ser de granulometria grosseira até fina, tem grande capacidade de retenção de água e serve para misturas com outros substratos.

Tijolo reciclado - Sobras de demolições, tem sido testadas como substrato para plantas após ser moído e lavado. Contém restos de cimento o que torna inviável para cultivo de plantas tipo azálea. É usado na Europa como base de substrato para telhado vivo.

Brita - Material da construção civil tem sido usado com sucesso no cultivo de orquídeas e bromélias. Tem baixa retenção de água e nutrientes, e não degrada, mas é pesada para vasos pendentes.

Húmus de minhoca - Cultivadores comercializam a terra processada pela minhoca para uso em substratos, misturada com outros ingredientes. Contém muitos nutrientes, nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, ferro, manganês, enxofre, zinco e boro. Seu pH é 7,0. Têm nutrientes disponíveis para as plantas e faz excelente composto.

Outros substratos que têm sido cogitados e alvos de pesquisas: Composto de lixo domiciliar, cascas de frutas da indústria de frutas, fibras de plantas diversas, cascas de vime, sementes e cascas de algodão, aguapé, bagaço de cana, resíduos de papel.

Neste link tem um excelente texto, mais técnico e científico sobre substratos, vale a pena dar uma lida.

Também nesta lista podemos incluir a terra vegetal, que é aquela que compramos nas floriculturas e garden centers. "A terra vegetal é a mistura de terra in natura  com restos de plantas decompostos, como folhas, caules, cascas e xaxim. Embora contenha naturalmente alguns nutrientes, a terra vegetal serve basicamente como a “cama” das raízes; para que a planta desenvolva-se em sua plenitude, é essencial que se misture (obedecendo os traços próprios de cada espécie de planta) um bom substrato." (fonte)

Eu pessoalmente utilizo na minha mistura para vasos, duas partes de substrato pronto, aqui compro da marca Solu Bonu; ele parece ser uma mistura de materiais vegetais decompostos e é escuro; duas partes de terra vegetal e uma parte de húmus de minhoca. Também coloco um pouco de NPK 4-14-8 (num próximo post falarei só sobre adubos). Se tiver coloco duas colheres de farinha de osso, que oferece principalmente cálcio e fóforo para as plantas, essencial no processo de floração.




O húmus, que é um adubo orgânico feito pela decomposição de folhas, cascas de frutas e outras coisas do gênero pelas minhocas, além de ser um excelente adubo, com o tempo minhocas se desenvolvem na terra onde foi colocado o húmus, fertilizando constantemente o solo e também promovendo sua aeração.

Aqui idéias para substrato para cactos e suculentas.

O vídeo abaixo é muito legal, vale a pena ver, sobre substratos:


E este outro:



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...