Transplante de Rosa-do-deserto (Adenium obesum)

Quero mostrar para vocês o passo-a-passo do terceiro transplante da minha rosa-do-deserto desde que a comprei. Lembrando que já fiz um post aqui no blog sobre como cuidar dessas lindas, clique aqui para ver.

Primeiramente é importante dizer que é fundamental fazer isso uma vez ao ano, principalmente se ela está em vaso. Porquê? Porque as raízes, chamadas caudex, crescem dentro do vaso e começam a ficar apertadas lá dentro; além do que a beleza desta planta além das belas flores é ter um belo caudex. E para ter um belo caudex é preciso fazer este procedimento. Sem medo e sem culpa! É igual poda, dói mas é necessário!


Essa é a minha adenium antes de transplantar. Reparem que as raízes estão quase alcançando a borda do vaso.




A foto acima mostra a planta antes de ser desenvasada; notem que ela está florida. Penso que o ideal é esperar a floração acabar para fazer o transplante, mas eu não agüentei pois a floração demora bastante e já estava me dando gastura (alguém entende de mineirês? se não, significa aflição, rs) de ver o caudex ficando apertado no vaso. Além do que estava precisando trocar o substrato.


Detalhe do caudex antes do transplante, de frente

Detalhe do caudex antes do transplante, de costas

Bom, primeiro passo é soltar o torrão do vaso sem danificar a planta. Como o substrato que eu estava usando estava meio compactado, estava com medo de machucar minha adenium. Se fosse no vaso de plástico é fácil, só dar uns apertões que o torrão sai. No vaso de barro é só encharcar bem a terra e depois puxar.


Vaso encharcado com água pra puxar o torrão

Torrão retirado com sucesso!

Depois de retirado o torrão, eu lavo com a mangueira dando esguinchos com a água bem forte para lavar todo o entremeio das raízes e ver em que tamanho está.


A foto ficou meio embaçada mas acho que dá pra ver bem as raízes bem limpinhas

Raízes totalmente limpas. Reparem a parte mais clara que era a raíz que estava debaixo do substrato.

Depois de limpar as raízes, vamos ao preparo do substrato. Cada produtor tem sua própria receita. O fato em comum é que o substrato seja bemmmm drenável. Eu optei por fazer uma misturinha com terra preta (condicionador de solo para jardineiras da Forth) -  (não estou fazendo propaganda, simplesmente é uma terra que uso e gosto bastante) ; fibra de coco moída e um substrato próprio pra orquídeas que tem casca de pínus triturada, vermiculita e carvão mineral triturado. Ah, também coloquei um pouco de fertilizante natural farinha de ossos com torta de mamona. Obs: não tenho uma medida, fui fazendo no olho. O importante é ter mais material drenante do que terra.
O aspecto ficou assim:




Sobre esse substrato pra orquídeas, achei bem caro. Por 1 kg paguei R$ 12,00 (sendo que o saco de 20 kg de terra preta pago R$ 15,00). Pode ser que em outros lugares seja mais barato, mas acho que não vai variar muito o preço seja de uma marca para outra, pois os componentes usados são mais caros mesmo. Mas eu acho que fica bem mais em contra comprar os ingredientes separados e montar essa mistura. Se você quer praticidade, esse é o ideal; se não vai precisar de muita terra; agora eu como aproveitei pra refazer vários outros vasos de suculentas e cactos, da próxima vou comprar a vermiculita, carvão e pínus separado e montar.


Eu comprei esse pois foi a marca que encontrei, também não estou fazendo propaganda; é só pra mostrar quem tem dúvida.

Após colocar material drenante no fundo do vaso (pode ser pedras, argila expandida, pedaços de isopor, cacos de telha, etc.) e colocar o substrato misturado até o topo do vaso, é hora de encaixar a nossa adenium. Não troquei o vaso, só lavei bem. Quase que não deu pois o caudex está bem largo, a próxima vou ter que por em uma bacia.


Detalhe da parte mais clara das raízes: é a parte que estava dentro do vaso e agora vai ficar pra fora.

Dá pra perceber na foto acima que subi uns 2 dedos de raíz. Geralmente é isso aí que cresce durante um ano. 

Depois de encaixá-la no vaso, vamos completar os buracos das raízes com mais substrato para que ela fique estável. Se precisar apoie a planta com palitos de churrasco.






Completando as raízes com substrato

Depois de completar os buracos com substrato, regue bastante pra planta se acomodar e o substrato assentar no vaso, deixando a planta estável.



Depois de regada e estabilizada no vaso

Aí está nossa belezinha feliz com substrato novo e mais raízes expostas!




Detalhe do caudex depois do transplante

Alguns dias depois, é normal se as folhas amarelarem e caírem. Não se desespere! Toda planta fica frágil depois do transplante. É só deixar ela mais em um cantinho com pouco sol até se readaptar, daí uns 15 dias! Aqui pelo menos já tem 4 dias e nem as flores nem as folhas caíram!


Comentários

  1. Que engraçado, tem que ficar com as raízes para fora!
    Não tenho experiência nenhuma com esta planta, nunca sequer vi uma "ao vivo". Bem interessante!
    (A propósito, ri muito com a "gastura". Ai, que saudades dos meus amigos mineirinhos!)

    ResponderExcluir
  2. Um dia me arrisco com rosas do deserto. São lindas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita, em breve responderei! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...