sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Vários tipos de Malva medicinal

Tive a iniciativa de escrever este post durante uma discussão com as amigas Bruna e Juliana dos blogs Saberes do Jardim e Jardinet. Depois de mandar pra elas a foto da malva medicinal que comprei aqui na minha cidade, surgiram dúvidas se era mesmo a tal malva que tanto vemos falar por aí. Por aqui, sempre conheci esta planta como malva medicinal, mas pesquisando, na verdade ela é um parente do gerânio, Pelargonium graveolens:


Fonte da foto



Muito aromática como os gerânios, as flores parecem com as de algumas malvas como vamos ver mais pra frente, mas são de famílias diferentes. Enquanto esta pertence à família Geraniaceae (que são os gerânios), as malvas são da família Malvaceae, que também fazem parte os hibiscos, o algodão e o quiabo .


Detalhes das folhas do Pelargonium graveolens
Fonte da foto


Conhecida como malva-de-cheiro, malva-rosa, malva-cheirosa, ela é anti-inflamatória, antisséptica, aromática, adstringente, sedativa. Informações interessantes:

"Esta espécie tem grande importância na indústria de perfumes. Cultivada em larga escala, sua folhagem é destilada a vapor sem pressão em um alambique de aço inoxidável para obtenção de perfume. Cultivares de P. graveolens têm grande variedade de odores (rosa, citrus, hortelã, coco, noz-moscada, etc.) porém as variedades mais valorosas no comércio são aquelas com aroma de rosa. Toda a planta tem propriedades adstringente, relaxante, antidepressiva e antisséptica. Reduz a inflamação e controla sangramentos. São usadas internamente no tratamento de problemas pré-menstruais e da menopausa, náuseas, amigdalite e má circulação. Externamente é utilizada para tratar a acne, hemorroidas, eczema, contusões, micose e piolhos. As folhas podem ser usadas frescas, em qualquer época do ano. Esta planta fornece o principal componente do óleo de gerânio (um substituto do perfume de rosas, muito mais caro no comércio), amplamente utilizado na aromaterapia, em produtos de cuidados com a pele e aromatizante de alimentos."
Fonte

Já  a  "verdadeira" malva medicinal é a Malva sylvestris:


Fonte da foto

Eu particularmente nunca vi dela à venda no Brasil em forma de mudas, penso que nem mesmo exista, somente o chá das folhas secas, que deve ser importado. Sementes também são difíceis de se achar, mas em alguns sites brasileiros especializados em sementes raras é possível comprar. 

Não recomendo compras no site Alibaba pois geralmente o que vem é semente de mato, a não ser que o vendedor seja indicado por uma pessoa que tenha comprado com sucesso. Vendedores de sementes do Mercado Livre também não são confiáveis, pois as sementes que eles vendem são do Alibaba e nem eles mesmos sabem se a semente é daquela planta que ele anuncia. O bom é comprar de quem produz suas próprias plantas ou sites estrangeiros. Um site de confiança que tem muitas sementes de plantas diferentes é o Planta Mundo. Nunca comprei, mas ainda este ano pretendo. Conheço pessoas que já compraram deles.


Sou apaixonada na família Malvaceae e tenho várias espécies em casa como Hibiscus mutabilis, Hibiscus sabdariffa, Abutilon, entre outros. Quando descobri essa beldade, já fiquei louca.

Abaixo fotos do meu belo Hibiscus mutabilis e sua variação de cor durante o dia. Ele nasce branco e no final da tarde está rosa:





Aqui um parente do Hibiscus acetosella, a famosa vinagreira, só que de folhas verdes e flores com vinho intenso, também do meu jardim:





Uma planta linda que se parece muito com a Malva sylvestris e também é malvácea, é a Lavatera, e podemos comprar sementes facilmente. A Isla tem a venda e eu já plantei e estou aguardando as flores. Nome científico Lavatera trimestris.


Não é jabá, somente indicando produto que uso e gosto

Uma das minhas mudas de Lavatera, plantadas a partir de sementes da Isla.  Devem estar com quase 2 meses. Acho que estariam bem maiores se estivessem no chão; logo logo vou plantá-las no local definitivo.

Flores maravilhosas:


Fonte da foto

Fonte da foto
Fonte da foto


Voltando a nossa Malva sylvestris, se distribui geograficamente na África, Europa e Ásia. Na América é considerada invasiva, onde foi introduzida. Algumas são consumidas como verdura.

Ela tem muitas propriedades e foi largamente usada no passado de até milênios atrás para várias enfermidades. E claro, como não podia deixar de ser, usada nos jardins como uma bela planta ornamental. Há ainda vários cultivares com cores diferentes.


Fonte da foto

Bom, para embaralhar nossa cabeça, ainda temos como malva medicinal a Althaea, também conhecida como malvarisco ou marshmallow, também da família Malvaceae


Fonte da foto

A planta de flor branca é Althaea officinalis e de flor rosa Althaea rosea e ambas usadas como medicinal. O uso específico é da raiz, na supuração de abcessos. Não é encontrada no Brasil, só em sementes com sites especializados. Já está na minha lista.


Althaea
Fonte da foto

E para terminar, temos a Alcea rosea, que também é conhecida como malva-rosa e também é medicinal. É uma Malvácea, e desde que tomei ciência há uns anos atrás desta maravilha, quis desesperadamente sementes ou mudas. Cheguei a ver dela em jardins aqui em minha cidade, mas a vergonha de bater e pedir muda ou sementes era maior que a vontade rs. 


Alcea rosea
Fonte da foto

O tempo se passou e me esqueci dela, até que vi um pé de flores brancas e outro de flores rosas em uma casa e consegui sementes. 


Cápsula e sementes de Alcea
Fonte da foto

A cápsula e as sementes são bem parecidas com as da vinagreira, somente estranhei a demora na germinação, pois as plantas desta espécie costumam germinar bem rápido, e estamos já na Primavera, onde o calor propicia uma germinação mais rápida. A primeira muda veio com 3 semanas e depois de mais de um mês de plantio, ainda tem semente germinando.


Minhas lindas mudinhas de Alcea com três semanas

A paixão voltou e estou enlouquecida de amor nas minhas mudinhas, já imaginando o jardim lotado delas. É considerada uma planta "antiga", daquelas que nossos avós costumavam ter e depois com o tempo foram sumindo. O bom dessa planta, assim como as vinagreiras (malváceas também - já fiz post sobre elas aqui no blog, clique aqui pra ler) é que elas se "auto" replantam, pois produzem muitas sementes e caem na terra, renovando o jardim no ano seguinte, já que são anuais-bianuais, ou seja, em um ou dois anos as plantas florescem intensamente e depois de gerar muitas sementes, morrem.

A única coisa triste destas plantas todas é que as flores geralmente duram um só dia. Algumas tendo a audácia de fecharem já depois do meio-dia, como as vinagreiras.


Alceas e sua beleza:


Ilustração botânica de 1887
Fonte da foto


Há variações de branco, vários tons de rosa, vermelho, amarelo e até um cultivar totalmente negro. Também existem versões dobradas.


Queremos, sim ou claro?
Fonte da foto

Alcea dobrada

É utilizada folhas, flores e raízes para inflamações de mucosas e principalmente do aparelho digestivo. 

Aqui expomos somente as informações que são divulgadas em sites de medicina natural, por isso é importante antes de utilizar qualquer planta, ter certeza absoluta de ser a espécie certa e de preferência procurar confirmação profissional com um médico, botânico ou farmacêutico.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, em breve responderei! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...