terça-feira, 18 de setembro de 2018

Pendões florais das suculentas, devemos cortar?

Há uma discussão no meio suculentício de que os pendões florais sugam muita energia da planta, e devemos cortá-los se não queremos que nossa planta mingue e até morra. Será mito ou verdade? Vamos discutir aqui tim-tim por tim-tim esse assunto que tem vários aspectos interessantes e até para conhecermos o ciclo natural de algumas espécies.


Uma bacia da minha coleção




Primeiro vamos começar falando que algumas suculentas, notadamente as kalanchoes, tem um ciclo de vida que dura até a floração. Elas são plantas monocárpicas, que não vou entrar em detalhes aqui pois já fizemos um post bem detalhado sobre esse tipo de planta, chamado "Porque algumas suculentas morrem depois de florecescerem".

Resumindo basicamente é o seguinte: as plantas monocárpicas florescem, deixam sementes e filhotes em torno da planta-mãe e morrem. Então não é que você deixou o pendão floral e a planta morreu por isso.

Vamos tomar por exemplo esta kalanchoe da minha coleção: 

Ela tem várias hastes florais e já com emissão de novos brotos laterais.




Interessante notar que na própria haste floral, se notam pequenas mudas que nascem entre as folhas que dão base às flores. Como as hastes já são meio antigas, pois tem uns 3 meses ou mais que essa floração iniciou, é bem comum de isso acontecer com algumas suculentas. Se você deixa a haste por mais tempo, começam a se formar mudas na própria haste, depois que as flores começam a secar. 

Muita gente corta hastes florais para fazer mudas. Plantam como estacas e elas enraízam, e nascem mudas na própria haste como mostrado na foto. Aqui a diferença é que eu não plantei a haste, ela ainda está na planta. Mas acabando a floração, vou retirar as mudinhas.




Abaixo a floração abundante desta espécie. Eu ainda não cortei porque achei belíssimo e ainda tem alguns botões a serem abertos. Mas não costumo deixar as hastes nas plantas e ao longo do texto vão entender o porquê.




Já está em formação as cápsulas de sementes. Então se você quer colher sementes das suas suculentas, tem que deixar que as hastes fiquem até secarem todas as flores e as cápsulas. Assim as sementes estarão maduras e prontas para o plantio.  




Abaixo, a cápsula de sementes já formada, mas ainda imatura. Tem que se esperar a cápsula secar totalmente. Geralmente quando estão prontas elas começam a se abrir sozinhas.




Sobre a kalanchoe, algumas espécies podem ser perenes, mas a maioria é bianual ou anual, e isso quer dizer que florescendo, ela emite brotos laterais e morre. Então nestas espécies não adianta cortar a haste floral porque ela vai morrer mesmo tirando a haste. Fenecendo a planta-mãe, além dos brotos laterais e sementes, algumas têm filhotes que saem das folhas e caem no solo, enraizando naturalmente. Estas são conhecidas como mãe-de-milhares e aí se inclui a Kalanchoe daigremontiana, K. tubiflora, entre outras, bem comuns em todo o Brasil.


Fonte da foto

Acima temos a K. thyrsiflora, famosa "orelha-de-elefante". Veja como ela se estica toda com a floração. Essa é uma espécie típica que morre depois, deixando filhotes na sua base. Para replantá-los, é só cortar da base da mãe ou cortar a mãe quase morta fora e deixar os filhotes na própria base.

Conclusão: 

1. A floração suga muita energia da planta? 

Sim, com certeza. Toda planta, mesmo que perene, gasta muita energia nisso e o ideal é reforçar a adubação em fósforo antes e durante essa floração.

2. Isso quer dizer então que devemos cortar as hastes?

Não necessariamente. Como estudamos acima, grande parte das kalanchoes morre depois da floração. Então pra que cortar? Aprecie sem moderação as flores, deixe os insetos e beija-flores se locupletarem com o seu néctar, e dê chance da planta se reproduzir, soltando sementes e brotos pelas hastes!

Agora vamos falar de outras suculentas. Vou mostrar algumas echeverias e afins. Eu particularmente, o que faço: aprecio bastante as flores, deixo os animais aproveitarem, e quando as flores começam a secar, mesmo tendo novas flores no começo no pendão, eu corto.

Vamos ver o porquê:

 Vejam a floração da Cremmeria mutabilis:



Bem bonita e já com algumas flores secando. Nesse ponto eu cortei. Pelos motivos:

- Poupar o desgaste da planta;
- A planta começa a se deformar ficando um pouco esticada;
- Os pendões costumam dar muitas cochonilhas e pulgões.


Cremmeria mutabilis

Veja como ela está mais esticada por conta da haste floral. E no miolo dá pra ver que vem outras. Quando a planta emite vários pendões ao mesmo tempo, aí sim é indicado o corte de alguns para que ela não se esgote tanto. Mas não é uma regra. Como disse antes, depende muito do que você quer. Se você aprecia só o formato da planta, não quer ver flores (o que eu acho difícil em se tratando de um amante da natureza) deixe pelo menos um pouco esses pendões para que os animais aproveitem.



Vejam a echeveria acima. Ela está com dois pendões enormes. Não vou cortar, porque apesar de estarem deformando um pouco a planta, as flores ainda não saíram. Uma observação pras folhas do pendão. São excelentes para fazer mudas. Depois que corto os pendões, sempre recolho as folhas pra isso.



A planta com pendões é a Sedeveria mailen. Está ficando esticadinha também com as hastes, mas não me importo. Quero muito ver as suas flores!




A Echeveria multicaulis acima também está cheia de pendões e alguns deles não são de flores, mas sim de mudas. Nesse caso é interessante podar as mudas e plantar. Ou se quiser um vaso cheio ou uma colônia grande dessa planta, vá deixando as mudas crescerem na própria planta!


Agora, quando os pendões já começam a dar pulgões e cochonilhas eu corto, mesmo se ainda são novas. Podia bater um defensivo e deixar? Podia. Mas eu tenho muita planta e ando meio sem paciência pra isso. Já passo a faca. Às vezes acontece de o pendão já estar tão infestado que não vale a pena bater defensivo.

 




Pra terminar, uma poda pós-floração é sempre bem-vinda. Deixou o pendão lá até secar? Corte fora. Além de melhorar a estética da planta, evita acúmulo de pragas e doenças. Reforce a adubação para que a planta floresça mais vezes e se recupere também. Isso vale não só para suculentas, mas para qualquer planta.

 



A Crassula lactea ficou bem deformada após a floração. O ideal é cortar estas hastes longas pra ela ficar compacta e mais bonita. A poda também favorece a formação de novos brotos laterais. Mas vai de gosto da pessoa. Eu cortei só as pontas onde estavam as flores. Elas também servem para fazer novas mudas.

 


Ah, queria mostrar mais isso pra vocês:




Esta acima é a Crassula multicava. Ela se encheu de flores e eu fiquei com preguiça de cortar depois. Fui deixando os pendões. Devia ter tirado a foto antes de cortar tudo mas nessa foto vai dar pra ver um pouco o que vou falar. Estão vendo como novos brotos surgem nas hastes? Capaz que se deixasse lá mesmo com as flores secas, viriam novos filhotes pendentes.


Para terminar, fotos destas minhas lindas floridas. Aprecie sem moderação!






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, em breve responderei! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...